Saiba mais

Quando se fala em investimentos, muitos pensam que é necessário alta quantidade de dinheiro ou muito tempo com dinheiro no fundo de renda fixa para conseguir lucrar - a propósito, este modelo de investimento é ainda considerado por décadas uma das melhores maneiras de investir no país. 

 

No entanto, poucos sabem como aproveitar e explorar ao máximo os recursos e opções de renda fixa - e do outro lado, ainda faltam profissionais qualificados para atender a demanda e exercerem posições de Analistas, Consultores de Investimentos, entre outros. 

 

Neste artigo, vamos trazer os conceitos fundamentais e compartilhar dicas para você que deseja seguir carreira neste segmento.

 

Leia mais: InterEdTech lança sete cursos com o InfoMoney

 

O que é a renda fixa?

A resposta está em um conceito fácil de entender: nos investimentos em renda fixa, o cálculo da remuneração é previamente definido e conhecido desde o momento da aplicação.

 

Basicamente, quem compra um título de renda fixa “empresta” dinheiro para alguém. Em troca espera receber o valor total aplicado acrescido com juros, que são a remuneração pelo tempo em que o recurso ficou emprestado.

 

Remuneração e rendimento: CDI, Selic e TR

O cálculo da rentabilidade pode seguir diferentes padrões, de acordo com os tipos de papéis em análise. O professor Marcos Mazzaroppi explica, na Websérie Transforme Sua Vida Financeira, que existem 3 formas tradicionais de remuneração:

 

Papéis prefixados - Neste modelo, é definido juros fixos e estabelecidos no momento em que são lançadas. Sendo assim, o investidor consegue saber no vencimento a quantidade em reais.

 

Papéis pós-fixados - Selic e a taxa de CDI, fazem parte deste modelo, sendo atrelados à remuneração. O valor do título é baseado nessas taxas, com isso os valores para o investidor podem mudar de acordo com o tempo de recebimento do pagamento.

 

Papéis híbridos - É a mescla de características dos dois tipos de remuneração anteriores. Uma parcela da remuneração é aplicada a juros fixos e a outra é unida a um indicador que pode variar ao longo do tempo.

 

Quais são os rendimentos das taxas?

O quanto rende a renda fixa é variável, depende do prazo, de qual papel e quem é o emissor. Contudo, estes investimentos seguem indicadores de referência, os principais são CDI, Selic e a TR.

 

CDI - Certificado de Depósito Interbancário, são títulos emitidos pelos bancos como forma de capacitação ou aplicação de recursos excedentes. Representa a média dos juros das operações de empréstimos de prazos diários realizado pelos bancos entre si.

 

TR - Taxa Referencial, ela corrige o rendimento da poupança e é calculada a partir dos CDBs (Certificado de Depósito Bancário, investimentos de renda fixa emitido pelos bancos) prefixados, emitidos por 30 instituições financeiras. Atualmente, houve mudanças na fórmula, porém a TR continua em zero desde 2017.

 

Inscreva-se agora: Websérie Transforme Sua Vida Financeira

 

Explicado o básico, agora vamos para a parte decisiva, quais são as dicas para investir:

 

1 - Conheça os títulos aplicados em renda fixa

É imprescindível para um investidor, que conheça o que está investindo, a segurança, rentabilidade e liquidez. Especialistas dizem que é possível ter dois destes três, assim, torna-se mais fácil entender qual o melhor para seu objetivo.

 

2 - Definir qual seu perfil

Conservador, moderado e agressivo, estes são os três perfis caracterizados que podem te ajudar a entender seu objetivo. O conservador prioriza a segurança, o moderado busca arriscar na medida do possível e o agressivo aposta nas melhores rentabilidades.

 

3 - Conhecer as taxas de administração

É necessário um conhecimento técnico de mercado, como conhecer as taxas de administração do seu banco ou corretora de investimentos.

 

4 - Equilíbrio e divergir

Você deve ter ciência que é necessário paciência e controle, para administrar seu capital investido. É de suma importância, o seu conhecimento sobre o campo de aplicação e distribuição do seu patrimônio.

 

A divergência do seu patrimônio aplicados em produtos de renda fixa é extremamente estratégico separar estas aplicações, tanto para o risco de baixa quanto para alta no mercado.

 

5 - Estudo de mercado e conhecimentos imprescindíveis

Em todos os setores da vida o estudo é indispensável. Neste modo de investimento, o conhecimento é ainda mais considerável, isso porque ao entender como funciona a modalidade é possível extrair as melhores rentabilidades, diminuir riscos exacerbados e criar uma carteira bem diversificada.

 

Esperamos que este artigo tenha lhe ajudado de alguma forma.

Para conhecer mais sobre outros tipos de investimentos, assista a Websérie completa sobre Finanças Pessoais e Investimentos com o professor Marcos Mazzaroppi: 

Websérie Transforme Sua Vida Financeira

 

Topics: FUNDOS DE INVESTIMENTO, RENDIMENTOS, JUROS, renda fixa, APLICAÇÕES, INFOMONEY, INVESTIDORES, INVESTIMENTO, investimentos, interedtech